Slide 01
Slide 02

Distinção entre prestação de serviços autônomos e contrato de emprego

Distinção entre prestação de serviços autônomos e contrato de emprego

Segundo os artigos 592 e 593 do CC (Código Civil), a prestação de serviços, que não estiver sujeita às leis trabalhistas ou a lei especial é que se regerá pelas disposições do Capítulo VII, sendo que toda espécie de serviço ou trabalho lícito, material ou imaterial, pode ser contratada mediante retribuição. Ex: prestação de serviços por médicos, dentistas, advogados, agrônomos, mestres, artesãos, mecânicos, carpinteiros, economistas, etc...

O contrato de prestação de serviços deve ser por escrito (art. 595), mediante retribuição (art. 596), não podendo ser superior a 4 anos (art. 598). As normas que disciplinam a duração e o tipo de contrato são os arts. 600 a 602 do CC. O art 599 trata do prévio aviso, e os arts. 602 e 604 cuidam de despedida/dispensa sem justa causa e a indenização por perdas e danos.

Portanto, somente em não havendo lei específica, cabe a contratação de prestação de serviços mediante contrato de prestação de serviços de natureza civil.
O contratado pode ser pessoa física ou pessoa jurídica.

A prestação de serviços e o contrato de trabalho regido pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) apresentam aspectos comuns, pois ambos são contratos de atividades a serem realizadas por uma pessoa.

Os principais elementos de distinção do contrato de prestação de serviços com o contrato de trabalho são dois: a) ausência de subordinação jurídica e, b) falta de continuidade.

Segundo lição de Anníbal Fernandes, trabalhador autônomo é aquele que exerce habitualmente e por conta própria atividade profissional remunerada.

O art. 3º da Consolidação das Leis do Trabalho define o que se considera empregado “toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob dependência deste e mediante salário”. Portanto, são requisitos da relação de emprego: a) pessoalidade, b) habitualidade (trabalho não eventual), c) dependência; d) onerosidade.

O primeiro requisito da definição legal é a prestação de serviços por pessoa física. Contudo, a pessoalidade não é exclusiva do contrato de trabalho, logo não é elemento definidor. Já se o trabalhador contar com o auxílio de terceiro, por ele remunerado, podendo se fazer substituir na prestação de serviço, não haverá relação de emprego.

A forma não-eventual de prestação de serviços, isto é, a habitualidade também é encontrada em outros tipos de contratos, como a do representante comercial autônomo, não se tratando de requisito distintivo da relação de emprego. Todavia, se a prestação de serviços é eventual, então não há relação de emprego.

O trabalho remunerado (onerosidade) não é característica única do contrato de trabalho, já que quase todos os contratos de atividade são onerosos. Entretanto, se o trabalho não for remunerado, não haverá relação de emprego, mas trabalho voluntário.

A forma de remuneração do trabalho pode contribuir para definir a relação de emprego. O autônomo exerce por sua conta determinada atividade, auferindo os rendimentos decorrentes do resultado de seu trabalho. Assim, o trabalhador autônomo recebe apenas pelo trabalho prestado; se não há trabalho não recebe remuneração. Já o empregado recebe salário, independentemente da efetiva prestação de serviços, bastando estar à disposição do empregador, nos termos do art. 4º da CLT: “Considera-se como de serviço efetivo o período em que o empregado esteja à disposição do empregador, aguardando ou executando ordens, salvo disposição especial expressamente consignada”.

O pagamento de despesas relativas a prestação de serviços também pode ser indicativo da existência de relação de emprego. É que o trabalhador autônomo assume todos os riscos da atividade profissional que desempenha, isto é, arca com todas as despesas inerentes; já no contrato de trabalho, quem assume os riscos da atividade é o empregador, destinatário dos serviços (art. 2º, da CLT), contudo, por si só, isso não é suficiente para caracterizar relação de emprego.

O modo de execução do trabalho é o critério mais importante para definir o trabalho subordinado na relação de emprego do trabalho autônomo. A prestação de serviços sob ordens do empregador, ou de seu preposto, e sob dependência deste (subordinação jurídica), constitui relação de emprego. Já o trabalho autônomo se traduz na liberdade de disposição do tempo de trabalho e de lazer, pela fixação das condições de operação ou execução do contrato sem maiores limitações, organização do próprio método de ação, etc.

Aparecida Tokumi Hashimoto

Olá, deixe seu comentário para Distinção entre prestação de serviços autônomos e contrato de emprego

Avalie Este Conteúdo: 1 2 3 4 5
Enviando Comentário Fechar :/